terça-feira, 1 de agosto de 2017

Conversas d'Ouvido com QUADRA


Entrevista com os QUADRA, banda instrumental proveniente de Braga. Os QUADRA são compostos por Sílvio Ren (guitarra), Filipe Vasconcelos (sintetizadores), Sérgio Alves (baixo), Hugo Couto (bateria) e Márcio Décio (guitarra). A sua música apresenta nuances de post-rock, apontamentos de electrónica e um toque de experimentalismo. Formados em 2016, editaram este ano EP homónimo, no próximo ano planeiam o lançamento do primeiro LP, enquanto esse momento não chega "sentaram-se à mesa connosco" para mais uma edição das "Conversas d'Ouvido"...


Ouvido Alternativo: Como surgiu a paixão pela música?
É uma pergunta muito difícil de responder, com certeza que todos os elementos dos QUADRA concordarão que poucas são as primeiras recordações de vida que não envolvam música. Acho que todos os seres sonhadores e criativos desenvolvem esta paixão desde o início das suas vidas.

Como surgiu o nome QUADRA?
O nome QUADRA surgiu de forma aleatória e sem significado consciente. A única luta consciente foi na recusa de possibilidade de nomes que fossem de certa forma inflexíveis no seu significado. Engraçado que encontrámos essa liberdade musical num nome que á partida parece significar algo rígido.

Editaram este ano o vosso primeiro EP, homónimo, para quem anda não o ouviu o que pode esperar?
Intensidade, liberdade, alguma euforia, algum descontrolo emocional, conflito, contradições e muito amor pela camisola. Representa tudo o que passamos como banda e da luta que temos travado.

Como gostam de descrever o vosso estilo musical?
Sem querer ser redundante, intenso e despretensioso. Alguns colocam-nos no Math-Rock, ou electro- rock- progressivo. Sentimo-nos bem e privilegiados por não estar sujeitos a protocolos ou fórmulas musicais.

Para além da música têm mais alguma grande paixão?
Todos nós temos várias paixões, mesmo fora da cena da música. E é ótimo usufruir disso, é uma variedade de temas que no fundo nos “moldam”, inspiram e fazem de nós o que realmente somos.

Qual a maior vantagem e desvantagem da vida de um músico?
Nenhum de nós é no fundo músico ou pode assumir que vive a vida de músico portanto é-nos impossível responder de forma total a essa pergunta. Conhecemos as coisas boas e más da vida da música, mais do que isso ainda não.

Quais as vossas maiores influências musicais?
Imensas. Facilitará dizer que Tortoise, Battles e o Jojo mayer/nerve foram as grandes influências deste EP.

Como preferem ouvir música? Cd, vinil, K-7, streaming, leitor de mp3?
De todas as formas, desde que tenha o mínimo de qualidade. O prazer da audição aumentará proporcionalmente á da qualidade de som.

O streaming está a "matar" ou a "salvar" a música?
O dilema entre o consumo acessível (normalização do consumo) e a não inacessibilidade (valorização pela diminuição de recursos) será eterno. Nós queremos que a nossa música seja acessível ao máximo de pessoas possíveis, se gostam ou não isso é com elas.

Qual o disco da vossa vida?
Temos imensos discos da nossa vida. Não teríamos força suficiente para escrever todos aqui.

Qual o último disco que vos deixou maravilhados?
Cada um de nos terá as suas descobertas musicais, mas dou como exemplo de Ângela Policia com quem partilhamos palco no nosso primeiro concerto e foi uma agradável surpresa para todos.

O que andam a ouvir de momento/Qual a vossa mais recente descoberta musical?
Não temos tema específico, é uma variedade de estilos muito ampla que nos inspiram. Muita música eletrónica também.

Qual a situação mais embaraçosa que já vos aconteceu num concerto?
Pessoal a roçar-se. Não preciso de dizer mais nada.

Com que músico/banda gostariam um dia de actuar?
Quando pensamos nisso surgem-nos á cabeça muitos nomes.

Para quem gostariam de abrir um concerto?
Abrir para qualquer das referências que demos era bom.

Em que palco (nacional ou internacional) gostariam um dia de actuar?
A nível nacional seria ótimo qualquer festival reconhecido pela comunidade musical. Internacional seria ótimo se fosse um concerto preparado nas muralhas da China ou Pirâmides do Egito de forma a que a NASA conseguisse ver do espaço.

Qual o melhor concerto a que já assistiram?
Uma pergunta muito pessoal, provavelmente cada um de nos diria uma banda ou artista diferente.

Qual o concerto da história (pode ser longínqua, mesmo antes de terem nascido), em que gostariam de terem estado presentes?
Se pudéssemos estar, só no futuro.

Qual o vosso guilty pleasure musical?
Não podemos contar…

Projectos para o futuro?
Álbum para o início de 2018 e muitos concertos, dados com tudo o que temos para dar.

Que pergunta gostariam que vos fizessem e nunca foi colocada? E qual a resposta?
P: Querem vir tocar ao Boom Festival?
R: Afirmativo

Que música de outro artista, gostariam que tivesse sido composta por vocês?
"ELEMENT." do Kendrick, era fixe.

Que música gostariam que tocasse no vosso funeral?
QUADRA, resposta óbvia.

Obrigado pelo tempo despendido, boa sorte para o futuro.

Antes de terminarmos apresentamos o EP homónimo, editado este ano e que se encontra disponível para escuta através da plataforma Bandcamp.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by Email