terça-feira, 29 de agosto de 2017

Conversas d'Ouvido com Ed Curtis


O cantor e compositor chileno Ed Curtis é o mais recente convidado das "Conversas d'Ouvido". O músico nascido em Santiago do Chile, já viveu em Berlim, residindo actualmente em Buenos Aires. Em 2015, lançou o EP Watching You Go, mais recentemente editou o seu primeiro disco "My Own Time", que serviu de mote a esta entrevista, no entanto há muito mais para descobrir nas linhas que se seguem...

Ouvido Alternativo:Como surgiu a paixão pela música?
Ed Curtis:Começou quando tinha oito, nove anos. Encontrei uma guitarra em casa e comecei a fazer sons com ela.

Nascido em Santiago do Chile, já viveste em Berlim e actualmente resides em Buenos Aires, sentes que a tua sonoridade vai-se influenciando por essas vivências?
Definitivamente há algumas influências de sons que vêm de outros países, mas estão ligados de alguma maneira à música que eu gosto. É como aplicar coisas típicas do local na música, sempre mantendo o estilo ou o género.

Quais as principais dificuldades que sentiste antes da edição do teu primeiro álbum?
Penso que foi o tempo de gravar e produzir o álbum, porque no começo, não estava a viver em Buenos Aires, o que exigiu algum esforço para otimizar o meu tempo quando estava em Buenos Aires, e também estava a trabalhar à distância com o produtor.

Editaste recentemente o teu disco de estreia “My Own Time”, para quem ainda não o ouviu, o que podemos esperar?
É um álbum de rock suave, onde o indie rock e a pop se encontram. Cada música é diferente, mas mantém uma linha comum que relembra diferentes bandas como Oasis, The Verve, Morrissey, Blur, Travis, Coldplay, Radiohead.


Como gostas de descrever o teu estilo musical?
É indie rock-pop com algumas influências de rock-folk. Definitavemente com algum som brit-pop dos anos 90.

Com que músico gostarias de efectuar um dueto/parceria?
Gostaria de ter uma parceria com Fran Healy (Travis) ou Tom Chaplin (Keane).

Para além da música, tens mais alguma grande paixão?
Bem, como músico independente, tenho que trabalhar. Tento dividir o meu tempo entre trabalho, música, família e viagens.

Qual a maior vantagem e desvantagem da vida de um músico?
A principal vantagem poderia ser tu poderes expressar o que sentes usando o teu talento. A maior desvantagem é não poderes focar 100% do teu tempo nisso, pelo menos até te tornares uma estrela de rock (risos)

Quais as tuas maiores influências musicais?
Bandas da brit-pop dos anos 90 como Oasis, The Verve, Morrissey, Blur, Travis, Coldplay, Radiohead e dos Estados Unidos o Jeff Buckley e da América do sul Gustavo Cerati.

Como preferes ouvir música? Cd, vinil, k-7, streaming, leitor mp3?
Prefiro CD, mas o streaming ajuda!

O streaming está a “matar” ou a “salvar” a música?
Não é por aí, vejo-o mais como uma ferramenta poderosa que deves usar nos dias de hoje. Não acredito que alguma banda faça dinheiro apenas a vender CD's.

Qual o disco da tua vida?
“Grace” de Jeff Buckley.

Qual o último disco que te deixou maravilhado?
Pergunta difícil, não tenho a certeza, mas poderá ser Arctic Monkeys ou Tame Impala.

O que andas a ouvir de momento/Qual a tua mais recente descoberta musical?
Tenho ouvido música indie-folk, tenho vindo a descobrir alguns cantautores.

Qual a situação mais embaraçosa que já te aconteceu num concerto?
Penso que não aconteceu nada até agora.

Para quem gostarias de abrir um concerto?
Era óptimo poder abrir para os Coldplay, Travis ou Keane.

Em que palco (nacional ou internacional) gostarias de um dia actuar?
Gostaria de tocar em Glastonbury (UK).

Qual o melhor concerto a que já assististe?
Relembro-me de Keane e Morrissey.

Que artista ou banda gostavas de ver ao vivo e ainda não tiveste oportunidade?
Jeff Buckley!!!

Qual o concerto da história (pode ser longínqua, mesmo antes de teres nascido) em que gostarias de ter estado presente?
Jeff Buckley em Glastonbury (1995).

Tens algum guilty pleasure musical?
Não sei, mas talvez Lady Gaga (“Bad Romance”).

Projectos para o futuro?
Hoje estou a planear o lançamento oficial do meu álbum, que será em Buenos Aires dia 30 de Agosto no Hard Rock Café. Por outro lado, quero fazer uma tour na Europa em Março 2018.

Que pergunta gostarias que te fizessem e nunca foi colocada? E qual a resposta?
Por que escreves em inglês? Faço-o porque acho que a língua é como um instrumento diferente e também permite dar cores diferentes à tua voz.

Que música de outro artista gostarias que tivesse sido composta por ti?
“Grace” de Jeff Buckley.

Que música gostarias que tocasse no teu funeral?
Poderia ser “Guaranteed” de Eddie Vedder ou “Corpus Christi Carol” de Jeff Buckley.

Obrigado pelo tempo despendido, boa sorte para o futuro.

Terminamos como habitual ao som da música do nosso convidado, hoje ficamos a ouvir o mais recente single "All That I Do", presente no álbum My Own Time.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by Email