sexta-feira, 14 de julho de 2017

Conversas d'Ouvido com Gus & Vic


Entrevista com o duo brasileiro de indie pop/folk Gus & Vic. Recuando no tempo, até 2013, Gustavo Scanferla e Victoria Cosato, conheceram-se num karaoke, e imediatamente surgiu a química que os une até ao presente. A sintonia entre ambos é bem patente e o amor que os une reflete-se nas suas melodias apaixonantes. Nesta descontraída edição das "Conversas d'Ouvido" fomos desvendar o amor que nutrem pela música...

Ouvido Alternativo: Como surgiu a paixão pela música?
Gus (G): desde que me entendo por gente, sempre achei incrível tirar som de objetos e instrumentos. Sempre fui fascinado por músicas, sons e instrumentos.
Vic (V): Minha casa sempre foi muito musical. Meu pai é compositor desde novo e sempre estimulou minha paixão por melodias e canções. Mesmo os desenhos animados que eu assistia eram musicais e me divertia imitando os personagens e cantando suas músicas.

Como é que vocês se conheceram?
Nos conhecemos num karaokê em 2013, durante o aniversário de um amigo em comum. Gus decidiu ir de última hora e caso ele não fosse, talvez nunca tivéssemos nos conhecido! Foram muitos desencontros até esse dia. Sempre frequentamos os mesmos lugares, estudamos na mesma faculdade e até fizemos o mesmo curso (publicidade), porém em épocas diferentes e jamais nos encontramos por lá. Foi muita sorte termos ido a esse aniversário. Cantamos "I Want It That Way" dos Backstreet Boys. O aniversariante estava nos apresentando quando chegou a minha vez de cantar. Daí chamei Gustavo e mais dois amigos para me ajudarem no micão.

Open Door” foi mixado por Mario Caldato Jr., como foi trabalhar com ele?
Mário é simplesmente sensacional, além de muito gentil e atencioso. Fomos muito bem recebidos e adoramos o resultado do trabalho com ele.

Segundo sabemos encontram-se a trabalhar no vosso disco de estreia, já podem levantar um pouco o véu sobre o que podemos esperar?
Nosso disco de estreia está bem diversificado, as músicas passeiam por diversos estilos, ritmos e climas. Por isso, o conjunto da obra acaba sendo como uma história, um filme: com altos e baixos, começo, meio e fim. O álbum está sendo gravado na Casa do Mato, com o grande Ronaldo Lima e o instrumental foi feito pelo “Conjuntão Pesado”, a banda magnífica do Seu Jorge. Todos abraçaram o projeto e entraram de cabeça, e isso nos deixa muito orgulhosos e felizes.

Como gostam de descrever o vosso estilo musical?
Indie pop resume bem nosso estilo como um todo, ainda que haja canções no álbum com fortes referências Rock, R&B e Folk.

Para além da música, têm mais alguma grande paixão?
Nos interessamos por viajar, fazer atividades físicas e gastronomia em geral. Somos foodies convictos.

Qual a maior vantagem e desvantagem da vida de um músico?
A vantagem é podermos viver em estado de criação, dar vida a nossas ideias e sonhos. Além disso, é uma grande alegria para nós fazer shows. Já fizemos cerca de 70 apresentações e continuamos a aprender em cada performance. Como desvantagem, podemos mencionar a ansiedade para os lançamentos.

Quais as vossas maiores influências musicais?
G: Minhas maiores influências são Nirvana, The Black Keys e Pink Floyd.
V: Sou muito influenciada pelo trabalho do Michael Jackson, Mutantes e Amy Winehouse. Então tem muito de Pop, R&B e experimentação em minhas composições.

Como preferem ouvir música? Cd, vinil, k-7, streaming, leitor mp3?
Por sempre estarmos na correria e pela praticidade, acabamos optando por serviços de streaming, mas adoramos ouvir canções em vinil.

O streaming está a “matar” ou a “salvar” a música?
Buscamos sempre identificar o aspecto positivo de toda revolução midiática e tecnológica. Sem dúvidas, o streaming tangibiliza o consumo de música para milhares de pessoas que, outramente, não teriam condições de adquirir lançamentos na velocidade em que vêm surgindo.

Qual o disco da vossa vida?
G: Nevermind (Nirvana)
V: Todas as canções do meu pai, Fred Cosato.

Qual o último disco que vos deixou maravilhados?
G: Convoque Seu Buda (Criolo)
V: Damn, do Kendrick Lamar.

O que andam a ouvir de momento/Qual a vossa mais recente descoberta musical?
Galt MacDermot e nossa recente descoberta musical é o Soft Hair.

Qual a situação mais embaraçosa que já vos aconteceu num concerto?
Pessoas alcoolizadas na plateia sempre causam problemas (risos).

Com que músico/banda gostariam de efectuar um dueto/parceria?
Dan Auerbach ou Alex Turner

Para quem gostariam de abrir um concerto?
G: Cage the Elephant e Broken Bells.

Em que palco (nacional ou internacional) gostariam um dia de actuar?
Festivais como o Rock in Rio, NOS, Glastonbury, Hurricane e muitos outros!

Qual o melhor concerto a que já assistiram?
G: System of a Down no Rock in Rio!
V: Lady Gaga.

Que artista ou banda gostavam de ver ao vivo e ainda não tiveram oportunidade?
Coldplay, The Last Shadow Puppets e Childish Gambino

Qual o concerto da história (pode ser longínqua, mesmo antes de terem nascido) em que gostariam de terem estado presentes?
Queen!

Qual o vosso guilty pleasure musical?
Somos transparentes, não temos guilty pleasures (risos).

Projectos para o futuro?
Além do álbum, faremos uma turnê oficial e lançaremos clipes e uma Session ao vivo.

Que música de outro artista, gostariam que tivesse sido composta por vocês?
"Redbone" (Childish Gambino)

Que música gostariam que tocasse no vosso funeral?
G: "My Way" com Frank Sinatra
V: "My Love" - Paul McCartney

Obrigado pelo tempo despendido, boa sorte para o futuro.

Terminamos ao som do single "We Know".

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by Email